Feijoada, versão madrilenha!

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

Bom, num casal que gosta tanto de comida alguém tinha que saber cozinhar, né? Como eu sou completamente incapaz de fazer algo mais que macarrão e torta de limão, o Alê desenvolveu esse talento. Eu podia dizer que o dom vem de família, já que os pais dele cozinham super bem, mas duvido que seja verdade. Se fosse assim eu saberia fazer pelo menos alguma coisa, porque meu pai era ótimo cozinhando e minha mãe tinha tanto talento que mesmo não gostando de cozinhar tudo que ela faz fica bom.

Fato é que ao longo desses anos de namoro o Alê aprimorou o dom e já criou várias comidas tradicionais. A primeira delas foi o arroz à piamontese. Porque a 1a. vez que ele fez esse arroz nós estávamos em Ilha Grande, acampados. Quase todos os ingredientes eram em pó... E se ainda assim ficou ótimo, ali ficou claro que ele tinha futuro! Aí veio o molho branco, que ele resolver fazer num aniversário do Rafa e teve que refazer umas 2 ou 3 vezes ao longo do almoço, de tanto que as pessoas repetiam. Desde então o repertório começou a ficar variado, a incluir peixes, frutos-do-mar e molhos complexos, tudo com uma bela ajudinha do Canal Gourmet da Argentina.

Mas a mais recente tradição é a Feijoada. Depois de se consagrar em duas edições portenhas, com direito a versão vegetariana, ela acaba de cruzar o oceano e virar tradição em Madri. Ficou tão mundialmente famosa que atraiu a atenção da TVE daqui, que invadiu nossa casa com câmeras e luzes pra registrar o segredo desse prato. Bom, talvez a história não seja exatamente assim, talvez tenha alguma coisa a ver o fato de eu trabalhar no programa em questão ou da matéria em questão ser minha...mas isso é detalhe, né? Importante é que ela foi feita, nenhum espanhol da produção resistiu às judías negras (judías, alubia, poroto, frijoles, eles não conseguem escolher um nome pro feijão), a amiga mexicana comeu várias vezes e nós, brasileiros, aproveitamos pra matar a saudade.

Só faltou a rede depois...
















Criador e criatura

























O pessoal da produção, ainda tímido, rondando a mesa


















O produto final























Llaneza no meio dos brasileiros, inconformada porque não existe farofa no México

Um comentário:

Helena disse...

Oi Casaaaaal! EU também fiz uma feijoada versão finlandesa nesse carnaval! Ficou bonzão! Eu fiquei muito surpresa com o resultado, o Gui comeu tanto que acho que passou o dia seguinte em jejum :)
Ó, vão preparando uma listinha aí do top 10 madrid que em fim de Maio tamos aí, viu? Beijocas aos dois!!!